O GERENCIALISMO PIROTÉCNICO DE AÉCIO NEVES RENOVADO: CHOQUE DE GESTÃO DE SEGUNDA GERAÇÃO, NINGUÉM SEGURA ESTE GAROTO!

|


Lá vem munição pesada!

Enquanto José Serra tem a seu favor o apoio irrestrito da influente mídia paulista e, também, o fato de já ser conhecido nacionalmente Aécio Neves, por sua vez, tem como aliado um sofisticado e cuidadoso esforço de marketing que, há muito, trabalha na construção de sua imagem pública. E este projeto para Aécio mostra-se tão poderoso quanto aquele que há 2o anos, fez de um caçador de marajás, o primeiro presidente eleito pelo voto direto após o Regime Militar. Sendo assim, Serra que já é dado por muitos como o franco favorito à sucessão do presidente Lula pode acabar surpreendido com a indicação de Aécio Neves em seu lugar.

Devo confessar que ainda não consegui achar um neologismo que seja mais adequado para definir Aécio Neves, mas sem sombra de dúvidas, ele é mais um estadista fabricado, uma imagem daquilo que, inconscientemente, o povo idealiza como líder de uma nação e, este produto para o qual damos o nome de Aécio Neves, não é coisa nova em nossa política.


Antes, um refresco na história

Minas Gerais, que nunca experimentou um legítimo governo de esquerda, afundou-se após a redemocratização em uma sucessão de governos corruptos de direita que se inicia com a eleição de Tancredo Neves e Hélio Garcia, passa por Newton Cardoso, volta a Hélio Garcia e termina em Eduardo Azeredo que, de legado, deixaram um medonho rastro de sucateamento do estado, dívidas espetaculares, escândalos financeiros e empresas públicas quebradas. E tudo isto aconteceu enquanto Belo Horizonte, no início dos anos 90 rumava para outra direção política, para esquerda, mas incapaz de estender sua influência para além da região metropolitana, à exceção do vale do aço e de outros pingados municípios. Mesmo assim, a influência da esquerda e do PT em Minas Gerais foi insuficiente para fazer frente ao coronelismo de direita, num estado com mais de 800 municípios e que guarda, até hoje, fortes raízes do colonialismo em sua cultura.

É neste cenário, de governanças catastróficas e alternadas entre grupos políticos de direita, que Itamar Franco é eleito em 1998 e, dada às suas diferenças pessoais com o ex-ministro que lhe deu uma rasteira em 1998 e de sua posição política contrária à fúria da privataria demo-tucana do governo FHC empreende, em 1999, o episódio que foi denominado pela mídia nacional como moratória mineira. Por essa razão, Itamar foi massacrado pela Globo e pela Folha de São Paulo, que a serviço de FHC, fez dele e de Minas Gerais bodes expiatórios da crise com os credores e investidores internacionais e, também, motivo de chacota nacional.

Com um estado com as finanças estraçalhadas pelo governo de Eduardo Azeredo, Itamar usou a moratória como forma de sanear as contas públicas e direcionar seu governo para uma política de reestruturação e recuperação das instituições do estado e ao combate ao clientelismo político, enquanto o PSDB se reinventava e preparava Aécio Neves, até então um jovem Deputado eleito e reeleito às custas da imagem de seu avô Tancredo Neves que, com o apoio do próprio Itamar, foi feito seu sucessor e é hoje este personagem que conheçemos e, assim, mais uma vez, permaneceu no Palácio da Liberdade a velha direitona mineira.


O Estadista fabricado

Sem qualquer sombra de dúvida, Aécio Neves ficará para a história do marketing político como um de seus mais relevantes "cases". Como já disse, ainda não encontrei o melhor termo para definir este personagem que reúne jovialidade, glamour, sensualidade, refinamento, astúcia, perspicácia, inteligência, visão prospectiva, ideologicamente alheio, enfim, um tipo “concertacionista”, um político moderno, opa! Eureca! Yes, we can! - Sim, ele é o nosso Obama!

Mas para quem acha que estou viajando muito, mais do que Aécio Neves e, sem querer fazer trocadilhos ou dar margem a interpretações de duplo sentido, sugiro a leitura desta postagem de José Dirceu:

O céu do governador Serra não é de brigadeiro
Além do silêncio frente a crise econômico-financeira...

Além do silêncio frente a crise econômico-financeira, o governador tucano de São Paulo, José Serra, faz de conta que seu colega - mas concorrente no partido - de Minas Gerais, Aécio Neves, não é candidato a presidente da República nas eleições do ano que vem.

Isso é bem Serra, sua gente e a tática do fato consumado que tucano gosta muito de jogar. Mas os fatos o desmentem. Hoje em todos os jornais, o governador mineiro do PSDB anuncia que percorrerá o país para discutir um programa para aquilo que ele chama a era pós-Lula.

Aécio está disposto a disputar uma prévia com o governador de São Paulo, uma ideia que o próprio governador mineiro lançou, continua a bancar, e que arrepia o tucanato inteiro. É que a história e a tradição da legenda são de "engolir prato feito", acatar as decisões baixadas pela cúpula, uma tática, aliás, na qual Serra é mestre.

Serra faz de conta que o colega não concorre com ele pela legenda para ser candidato a presidente em 2010. Não fala, mas faz, acerta alianças e monta palanques nos Estados no seu velho estilo trator e apoiado na força política e no poder econômico de São Paulo. Vamos ver até onde Aécio resiste e até onde vai Serra.

José Dirceu está corretíssimo e digo mais, Minas Gerais conspira a favor de Aécio Neves. Os sinais desta conspiração estão espalhados por toda parte e, recentemente, tornaram-se visíveis quando o diretório do PT de Belo Horizonte abriu espaço para a candidatura do prefeito laranja de Belo Horizonte, Márcio Lacerda, numa espetacular e inusitada aliança política entre PT e PSDB. Ou alguém está disposto a querer me fazer crer que os interesses que ocultam essa troça tem a ver com as necessidades do município de Belo Horizonte?


De volta a Aécio, o fenômeno!

Queiram ou não, gostem ou não, entendam ou não, mas Aécio Neves é um fenômeno e uma unanimidade em Minas Gerais. E digo isso porquê aqui em Minas, político de primeira linha não torce por time algum de futebol e, quando o faz, é pelo mequinha, cuja torcida ocupa, no máximo, uma Kombi e, ainda, é uma espécie de patrimônio cultural de Belo Horizonte. Mas Aécio é cruzeirense apaixonado, daqueles que não gostam de perder jogos importantes e pasmem, até os Atleticanos o respeitam, tanto que sequer o alcunham de “cruzeirense viado”, uma contra ofensa popular e comum para “cachorrada atleticana”, dita pelos cruzeirenses. Quer mais do que isto? E quanto aquele episódio ocorrido no jogo Brasil e Argentina, onde ecoou o tal do “Aécio cheira mais do que o Maradona” foi apenas uma galhofa de torcida, quem se importa com isso?

Um outro quesito fundamental que diferencia Aécio de Serra é o assunto primeira dama. Sou capaz de apostar que Aécio vai inovar e, quando atingir sua pretensão, o Palácio do Planalto, ainda estará solteiro e, o mais importante, alimentando os sonhos de muitas moiçolas de participar de um “reality show” do tipo "Brasil’s next First Lady". Já imaginaram? Isto tudo por conta da Rede Globo, que escolheria a nossa própria Carla Bruni, com aqueles olhões azuis. Perfeito, um belo Presidente e uma primeira dama de conto de fadas. E a globo vai decretar o fim do botox e das cirurgias plásticas no Palácio do Planalto, definitivamente, uma boa notícia para as contas públicas.

Voltando a falar sério, no campo político estadual, Aécio tem um trunfo que Serra não tem. Enquanto Serra, para derrotar Marta Suplicy do PT e eleger seu prefeito laranja teve que lançar mão do confronto e do jogo sujo do marketing eleitoral, Aécio fez uma jogada muito mais ousada, arrematou, ainda nos bastidores, praticamente todo o diretório municipal do PT e vários membros importantes do diretório estadual e fez o seu prefeito laranja sem precisar sujar as mãos com ardis políticos eleitoreiros.

Esta é uma demonstração política que só ratifica o pensamento de José Dirceu. José Serra não está sob céu de brigadeiro e tampouco estará quem for enfrentar uma possível candidatura de Aécio em 2010, seja aqui em Minas ou em qualquer outro estado. Quem está por trás dos arranjos políticos de Aécio até agora não errou.

Além dos mais, não é exagero dizer que:
Aécio tem imagem e glamour, Serra, nem preciso dizer.
Aécio é a novidade, Serra não é.
Aécio tem o PSDB de Minas coeso em torno de seu nome, Serra não tem o de São Paulo, pois fritou Geraldo Alckimim para eleger o seu próprio laranja.
Aécio tem trânsito fácil e amigos pessoais influentes dentro do PMDB, Serra nem tanto.
Aécio agrada mais a lideranças do próprio PSDB no nordeste do que Serra.
Aécio tem Ciro Gomes ao seu lado e, para Ciro, Serra venderia até a mãe para ser Presidente.
E por aí vai.


O gerencialismo pirotécnico de Aécio Neves

Se perguntar para qualquer pessoa nas ruas de Belo Horizonte sobre Aécio Neves, você vai se surpreender de como a imagem que foi construída para ele, nestes últimos seis anos de seu governo está consolidada junto com a população. Toda a espalhafatosa publicidade que gira em torno de Aécio Neves dá conta de sua competência administrativa. Onde tem uma obra, uma inauguração de indústria ou qualquer coisa do gênero que seja fato relevante, mesmo que seja investimento direto do governo federal, convênios ou parcerias, os louros sempre são capitalizados para Aécio Neves e sua competência de dirigir o estado. Não é preciso dizer que a mídia por aqui cumpre a risca o que determina a agência oficial de propaganda do Palácio da Liberdade e, coitado de quem disser o contrário. Mas o que interessa é o resultado e, neste quesito, o neologismo Choque de Gestão acaba de entrar em nova fase, já é o Choque de Gestão de Segunda Geração, que pode não ser nada de mais, mas é a marca de Aécio Neves e de seu governo.

Eu creio que o PSDB vai se dar conta destas qualidades de Aécio em relação a Serra e que, apesar do que apresentam as pesquisas de agora, que dão larga margem a Serra, sua viabilidade eleitoral pode vir a ser questionada conforme for a evolução do(a) candidato(a)do Palácio do Planalto.

Quanto a mim, prefiro Serra a Aécio num possível embate com Dilma Roussef, seria muito mais fácil imaginar um cenário político polarizado nestas circunstâncias. Quanto a Aécio Neves, meu posicionamento continua inalterado, considero-o, além de uma grande fraude, a representação daquilo que é mais sórdido da nossa política e vem precedido pelas siglas PFL e PSDB. Aliás, daqui de Minas Gerais o Brasil não precisa esperar coisa diferente, aqui não é terra de revolucionários como conta a história, é, na verdade, terra de conspiradores, gente que quer a todo tempo estar no poder, foi assim na época da Coroa Portuguesa e durante toda a história da república.

Agora, deleitem-se com o gerencialismo espetáculo do Governo de Minas.

Governo de Minas apresenta resultados e metas para 2009

BELO HORIZONTE (07/01/09) - O governador Aécio Neves apresentou nesta quarta-feira (7), durante a IX Reunião Gerencial realizada no Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), as metas firmadas para cada área do Governo do Estado para 2009 e os resultados obtidos de 2003 a 2008. A previsão de investimentos para este ano é de R$ 11 bilhões, prioritariamente nos 57 Projetos Estruturadores do Estado. O valor total do orçamento é de R$ 39 bilhões. Durante a reunião, todos os secretários assinaram documentos pactuando os resultados que serão alcançados neste ano. O governador explicou que Minas Gerais vive um momento especial na gestão pública em que os resultados chegam mais rapidamente à população.

“O desafio agora é qualificar o gasto público e passar a avaliar a ação do governo não pelo volume de investimentos em cada uma das áreas, mas pelos resultados obtidos em cada uma das áreas com a diminuição da mortalidade infantil, com acesso asfáltico a determinadas cidades, com ampliação e melhoria de qualidade de todo o sistema de saúde, a melhoria dos serviços de educação. Esse é o novo patamar daquilo que podemos chamar de Choque de Gestão de segunda geração”, afirmou Aécio Neves, em entrevista.

Educação

Ao apresentar as metas, Aécio Neves anunciou que a educação é a área que receberá a maior parte dos recursos previstos para este ano: R$ 4,3 bilhões. Os investimentos em 2009 serão feitos especialmente para melhorar o nível de leitura recomendável dos alunos de oito anos. Atualmente, 72,5% dos alunos têm um bom nível de leitura e esse índice deve alcançar 81,1% até o final do ano. Outra meta importante é o atendimento de mais 20 mil alunos na Escola em Tempo Integral, totalizando 130.000 estudantes atendidos.

Durante a reunião gerencial, o vice-governador Antonio Anastasia apresentou um balanço das ações realizadas nos últimos seis anos. Na educação, os maiores destaques foram a implantação do ensino fundamental de nove anos, a distribuição gratuita de livros didáticos e a realização de melhorias na infra-estrutura de 3.537 escolas.

Juventude

Para 2009, outras ações voltadas para os jovens receberão investimentos de R$ 254,2 milhões. Esses recursos possibilitarão o atendimento de mais 40.000 alunos no Programa de Ensino Profissionalizante, totalizando 76.600 estudantes atendidos em 2008 e 2009. Os recursos também serão aplicados na ampliação da oferta de merenda escolar para 250.000 alunos do ensino médio noturno. Atualmente, 45.000 recebem essa merenda.

“Esse era um compromisso nosso, já que em 2006 nenhum aluno do ensino médio noturno tinha acesso à merenda escolar”, disse o governador, durante a apresentação que fez na reunião aos secretários de Estado, presidentes de fundações e de autarquias e gerentes dos Projetos Estruturadores.

Defesa Social

Em 2009, Minas Gerais também manterá os altos investimentos que tem realizado nos últimos anos na área de Defesa Social. Estão previstos R$ 1,3 bilhão, valor que mantém Minas na liderança brasileira em investimentos em segurança. Uma das principais metas é a redução da taxa de homicídios de 18,76 para 16,50 por 100 mil habitantes.

“Em 2005, esse número era de 19,8 por 100 mil habitantes. Esse é um dado extremamente importante porque vem na direção oposta do que vem ocorrendo na maioria dos estados brasileiros, que vêm assistindo um crescimento dos crimes violentos”, afirmou o governador.

Nos investimentos em infra-estrutura no Sistema de Defesa Social está prevista a instalação das torres de transmissão, aquisição de novo sistema de rádio e distribuição de equipamentos para as forças policiais.

Já no Sistema Prisional, serão criadas mais 2.500 novas vagas e será assinado o contrato de Parceria Público Privada para o sistema. Entre 2003 e 2008, foram criadas 16.829 vagas, com a construção de 30 unidades prisionais, conveniamento de 16 APACs e a transferência de 36 cadeias públicas sob a responsabilidade da Polícia Civil para o Sistema de Defesa Social. Segundo o vice-governador, neste período, o Governo de Minas triplicou o número de vagas abertas no sistema prisional mineiro.

Vida Saudável

O orçamento da Secretaria da Saúde terá, em 2009, um acréscimo de R$ 600 milhões, o que garante o cumprimento da emenda 29 da Constituição Federal que está sendo regulamentada pelo Governo Federal. Serão aplicados R$ 2,98 bilhões em ações de saúde.

Entre as principais metas estão a redução da taxa de mortalidade infantil de 16,18 para 14,59 por mil nascidos vivos. “No ano de 2004, essa taxa era de 17,05 para mil nascidos vivos. Estamos num processo contínuo de redução e queremos dar agora, com estrutura já montada na área da saúde, um salto ainda mais vigoroso”, determinou Aécio Neves.

Os investimentos em saúde também permitirão a elevação de 64,75% para 69,36% da cobertura populacional pelo Programa Saúde da Família, criação de novos sete centros Viva Vida, e implantação da Rede de Urgência e Emergência na região Norte do Estado.

A aplicação de recursos na saúde, em Minas Gerais, registra um crescimento importante nos últimos seis anos, quando foram investidos R$ 10,6 bilhões. Anastasia destacou que esse valor representa um acréscimo de 76% entre 2003 e 2008. Esses investimentos possibilitaram, até 2008, a implantação de 16 Centros Viva Vida, compra de equipamentos para 3.800 equipes do Programa Saúde da Família, reforma de 1.200 unidades básicas de saúde e a aplicação de R$ 350 milhões em para hospitais regionais.

Pobreza

Em 2009, serão investidos ainda R$ 143,5 milhões em ações exclusivas para o Desenvolvimento do Norte de Minas, Vale do Jequitinhonha e Mucuri e Rio Doce. Parte desses recursos será aplicada para atender 50.000 novos alunos no projeto “Acelerar para Vencer”, que já atende 137.536 estudantes, e para aumentar o percentual de jovens e adultos alfabetizados na região.

“Temos que lembrar a prioridade absoluta que estamos dando em todas as ações para essa região, que é a que mais depende das ações do Estado. Se eu tivesse que destacar, entre tantos bons resultados, quais me tocam mais fundo, diria que são os que encontramos nessa região, seja na saúde, nos indicadores de mortalidade infantil, que já estão próximos do restante do Estado, na nutrição, na educação de qualidade, da qualificação dos jovens, enfim, numa série de ações coordenadas que vem trazendo resultados”, comentou Aécio Neves.

Outras regiões do Estado também receberão R$ 912,9 milhões de investimentos para a redução da pobreza. Em 2009, serão entregues 7.020 casas populares, totalizando 24.100 unidades desde 2003.

Os 33 municípios com menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Estado receberão R$ 183,8 milhões, através do Projeto Travessia, que realiza ações nas áreas de saneamento, saúde, educação, geração de renda, organização social, infra-estrutura urbana e habitação.

Todas essas ações devem gerar uma redução do percentual de pobres em relação à população total do espaço urbano de Minas Gerais de 14,32 para 13,70. Segundo o governador Aécio Neves, em 2003, esse percentual era de 28,2, o que representa uma queda significativa nos últimos seis anos.

Minas também tem avançado na implantação do Sistema Único de Assistência Social (Suas) e, segundo o vice-governador, o Estado ocupa o primeiro lugar no Brasil nessa implantação. Até 2008, foram implantados Centros de Referência da Assistência Social (CRAS) em 411 municípios.

Meio Ambiente

Para as ações na área do Meio Ambiente, estão previstos investimentos de R$ 168,5 milhões. Até o final de 2009, 50% da população urbana de Minas Gerais terá disposição adequada de lixo. Atualmente, esse índice é de 44,97%. O índice de qualidade da água do Rio das Velhas deverá subir de 37,96 para 45. Está prevista também a regularização de 90.000 hectares de áreas protegidas até 2009, a abertura ao público do Parque Serra Verde, em Belo Horizonte, e recuperação de 17 mil hectares de mata nativa entre 2007 e 2009.

Entre 2003 e 2008, já foram regularizados 65.641 hectares de áreas protegidas e 36.000 estão em processo de regularização, com a aplicação de R$ 95 milhões em 2007/2008, além da recuperação de 9.674 hectares de mata nativa.
“Fomos recordistas em recuperação de mata nativa nos últimos anos e vamos avançar agora ainda mais e também temos que cumprir as metas do Banco Mundial para a redução dos prazos de licenciamento ambiental e esse esforço já está em curso”, disse o governador.

Gestão

O governador Aécio Neves destacou que todos os resultados já obtidos e todas as metas previstas para 2009 só estão sendo alcançados em função do modelo de gestão pública implantado no Estado nos últimos seis anos. O equilíbrio financeiro do Estado, atingido em 2004, possibilitou a reorganização do Estado, com a definição de metas e prazos para todas as áreas.

“Nenhum estado brasileiro tem os instrumentos de acompanhamento do gasto público que Minas estabeleceu e tampouco metas tão detalhadas e objetivos a ser alcançados como aqui. Além disso, cada secretário de Estado assume formalmente o compromisso com cada uma dessas metas que são monitoradas quinzenalmente. O que estamos fazendo aqui, além de darmos a Minas Gerais melhor qualidade de vida, trazendo mais investimentos, mais oportunidade de emprego, é qualificar de forma extraordinária a gestão pública”, afirmou.

Principais Resultados 2003/2008 – Governo de Minas

Sociais

Entre 2006 e 2008, o percentual de alunos no nível recomendável de leitura aos 8 anos cresceu de 49% para 73%;

De 2003 a 2008, 12.833 alunos foram atendidos pelo Projeto Poupança Jovem;

No mesmo período, 15.856 professores foram qualificados em cursos de formação básica do trabalho;

O Programa de Ensino Profissionalizante multiplicou em mais de dez vezes o número de alunos matriculados no ensino técnico, passando de 3.600 em 2005 para 42 mil em 2008;

Foram criadas no período 16.829 vagas no Sistema Prisional, através da construção de 30 unidades prisionais, conveniamento de 16 APAC e assunção de 36 cadeias públicas;

Em 2008, a redução na taxa de homicídios em Minas foi de 10,66% e de 20,66% na taxa de crimes violentos;

Entre 2003 e 2008, R$ 10,6 bilhões foram aplicados no Sistema de Saúde, o que representou um crescimento de 76%;

Nesse período, 1,4 bilhão de medicamentos foram distribuídos;

Também foram implantados 16 Centros Viva Vida;

3.800 equipes de PSF passaram a receber incentivo do Saúde em Casa em 835 municípios;

1.200 postos de saúde foram contemplados com recursos para reforma, construção e compra de equipamentos;

Foram destinados R$ 350 milhões para hospitais estratégicos que atendem pelo SUS, através do ProHosp;

De 2003 para 2008, a cobertura de equipes de PSF aumentou de 46,01% para 67,02%;

Entre 2004 e 2007, a taxa de mortalidade infantil caiu de 17,55% para 14,66%, segundo levantamento parcial da Secretaria de Estado de Saúde.

A partir de 2003, 516.700 novas residências passaram a contar com abastecimento de água e 450.800 novas casas foram atendidas com esgotamento sanitário da Copasa;

De 2003 a 2008, o percentual de esgoto coletado tratado no Estado aumentou de 26% para 44%;

O percentual de pessoas sem acesso a esgoto ou fossa caiu de 25,2% em 2003 para 19,5% em 2007, antecipando a meta do Milênio para acesso da população ao saneamento básico. A meta é de um percentual de 21,2% em 2015;

Ampliação do tratamento de esgoto na área do Rio das Velhas em 81% no período 2005-2008

O programa Lares Geraes entregou 17.084 unidades habitacionais populares entre 2003 e 2008;

Infra-estrutura

Entre 2003 e 2008, os acessos a 103 municípios foram pavimentados pelo programa Proacesso;

A Linha Verde, maior obra viária realizada em Minas nas últimas décadas, foi concluída e outras 61 obras do programa Minas Avança foram entregues;

Foram investidos R$ 4,9 bilhões nas rodovias mineiras no período, com a recuperação de 2.330 quilômetros de rodovias e 3.785 quilômetros com contratos de manutenção permanente assinados pelo programa ProMG Pleno;

Outros 10 mil quilômetros recuperados pelo programa ProMG Funcional;

Atração de R$ 185 bilhões de investimentos para Minas Gerais entre 2003 e 2008

Foram construídos 544,4 quilômetros de gasodutos;

Início das obras dos Parques Tecnológicos de Belo Horizonte, Itajubá e Viçosa;

84 Centros Vocacionais Tecnológicos e 487 telecentros implantados;

O Estado passou a ter 65.641 hectares de áreas protegidas regularizadas e 36 mil em processo de regularização (R$ 95 milhões aplicados em 2007/2008, mais que o realizado nos 40 anos de história do IEF)


Principais Metas 2009 – Governo de Minas

Sociais

Elevação do percentual de alunos da rede estadual com nível recomendado de leitura aos 8 anos de idade de 72,5% para 81,1%;

130.000 alunos em 1.800 escolas atendidos pela Escola em Tempo Integral;

Aumentar para 30 mil jovens atendidos pelo programa Poupança Jovem;

Elevação da taxa de conclusão do ensino médio da rede pública estadual de 45,2% para 53,0%;

40.000 alunos atendidos pelo Programa de Ensino Profissionalizante, totalizando 76.600 alunos no biênio 2008-2009;

Elevar de 54,33 para 80 o percentual de jovens e adultos alfabetizados pelo Programa Cidadão Nota 10;

Reduzir a mortalidade infantil para 14,59 óbitos por mil crianças nascidas vivas;

Elevação da cobertura populacional do PSF de 64,75% para 69,36%;

Elevação do percentual de domicílios com acesso ao abastecimento de água de 87,1 para 88,1 e da taxa de esgoto coletado tratado de 44% para 50%;

Entrega de 7.020 unidades habitacionais populares, totalizando 24.100 unidades desde 2003;

Redução da taxa de homicídios de 18,76 para 16,50 por 100 mil habitantes;

Redução da taxa de crimes violentos contra o patrimônio de 362,53 para 276,00 por 100 mil habitantes;

Aumentar em 10% no numero de vagas prisionais.

Infra-estrutura

Recuperação de 2.108 km de rodovias estaduais e conservação de outros 7.387 km;

Pavimentação de 32 acessos a municípios pelo Projeto Proacesso, totalizando 137 acessos concluídos e 100% das obras iniciadas;

Implantação da Agência Metropolitana da RMBH;

Conclusão das obras dos aeroportos previstos para 2009 dentro do Proaero;

Construção de 145,5 km de gasoduto de distribuição de gás natural em BH, Barbacena, Juiz de Fora, Jeceaba, Sul de Minas e Vale do Aço;

Tornar 800 propriedades aptas a fornecer bovinos para exportação;

Aumentar de 310 para 800 as propriedades produtoras de café com certificação internacional;

Conclusão das obras do prédio do Parque Tecnológico de Belo Horizonte (BHTec).



5 comentários:

APOSENTADO INVOCADO 1 disse...

Não esqueçamos dá "cara de pau" de Aécio querer gerir as rodovias federais em Minas Gerais.
Abraços
Helio

APOSENTADO INVOCADO 1 disse...

Não esqueçamos que o grande gestor pediu para gerir as rodovias federais situadas em Minas Gerais.Seria o caos
Helio

TERROR DO NORDESTE disse...

Caro blogueiro, parabéns pelo artigo.Não precisa dizer mais nada. Você está certo quando diz que, numa disputa contra Dilma, prefere Serra a Aécio. Eu também penso assim, Aécio agrega muito mais que Serra.Aliás, Serra é um baita desagregador.

Lingua de Trapo disse...

Caro Aposentado Invocado, este Aécio é um artista versátil, capaz de representar qualquer personagem. Não vejo a hora dele ser estampado na capa da Veja.

Lingua de Trapo disse...

Caro Terror, nós precisamos criar uma intriga entre Serra e Aécio, assim a Veja é capaz de dar uma capa "daquelas" para a fraude que vem de Minas.

 

©2009 Língua de Trapo | Template Blue by TNB