FELIZES DAQUELES QUE JÁ NASCERAM SOB OS BONS VENTOS DA NOSSA JOVEM DEMOCRACIA, MESMO QUE ELA AINDA SE APRESENTE COM ARES DE PRECARIEDADE

|



Postagem lambida do blog da Maria Frô

Há 45 anos, no dia da mentira, os militares tomaram o poder contra a democracia
Golpe ou revolução? (…) Em 1981, em celebrado depoimento, Ernesto Geisel declarou: “o que houve em 1964 não foi uma revolução. As revoluções se fazem por uma idéia, em favor de uma doutrina”. (…) o movimento se fez “contra Goulart”, “contra a corrupção”, “contra a baderna e a anarquia que destruíam o país”. (…)

(…) a partir de uma outra perspectiva teórica - ressignificar todos os “contras” presentes no depoimento do militar. Mais apropriado seria então afirmar que 1964 representou: (a) um golpe contra a incipiente democracia política brasileira; (b) um movimento contra as reformas sociais e políticas e (c) uma ação repressiva contra a politização das organizações dos trabalhadores e o extenso e rico debate de idéias que se desenrolava de norte a sul do país. (Caio N. de Toledo)

45 ANOS DO GOLPE DE ABRIL
Caio N. de Toledo*

Há 45 anos - no dia em que o imaginário popular consagra como o “dia da mentira” - era rompida a legalidade democrática vigente no país desde a derrubada da ditadura do Estado Novo (1937-1945).

Hoje, no Brasil, poucos serão aqueles que cometerão o despropósito de propor algum tipo de comemoração pública desta infausta data. Felizmente, nestes dias, em instituições acadêmicas e entidades culturais e políticas, em sindicatos de trabalhadores, em alguns jornais e revistas da grande imprensa e em blogs de jornalistas independentes deverão ocorrer debates que examinarão criticamente os significados e os efeitos do movimento de abril de 1964 na história política e cultural recente do país. Certamente, nenhum veículo da grande mídia nacional ousará afirmar que o pós-1964 no Brasil - comparativamente às ditaduras militares sul-americanas (”mais cruéis”, “mais sanguinárias” etc) - teria sido uma autêntica “ditabranda”. Quem fez isso recentemente, se deu muito mal…

Golpe ou revolução? Àqueles que ainda insistem em denominar este movimento com a noção de “Revolução”, deveríamos lembrar as palavras de um eminente protagonista daquele movimento. Em 1981, em celebrado depoimento, Ernesto Geisel declarou: “o que houve em 1964 não foi uma revolução. As revoluções se fazem por uma idéia, em favor de uma doutrina”. Para o vitorioso de 1964, o movimento se fez “contra Goulart”, “contra a corrupção”, “contra a baderna e a anarquia que destruíam o país”. Estritamente falando, o ex-ditador reconheceu que o movimento liderado pelas Forças Armadas não era a favor da construção de algo novo no país; era, sim, um movimento contra um estado generalizado de coisas que “infelicitavam o povo e a nação brasileira”…

Pertinentes, pois rejeitam a noção de Revolução para caracterizar o 1º. de abril de 1964, as formulações do militar golpista, no entanto, podem ser objeto de uma outra leitura. Assim, é possível - a partir de uma outra perspectiva teórica - ressignificar todos os “contras” presentes no depoimento do militar. Mais apropriado seria então afirmar que 1964 representou: (a) um golpe contra a incipiente democracia política brasileira; (b) um movimento contra as reformas sociais e políticas e (c) uma ação repressiva contra a politização das organizações dos trabalhadores e o extenso e rico debate de idéias que se desenrolava de norte a sul do país.

Em síntese, no pré-1964, as classes dominantes e seus aparelhos ideológicos e repressivos - diante das iniciativas e reivindicações dos trabalhadores no campo e na cidade e de setores das camadas médias - apenas vislumbravam “crise de autoridade”, “subversão da lei e da ordem”, “quebra da disciplina e hierarquia” dentro das Forças Armadas e a “comunização“ do país que, no limite, implicariam a “dissolução da família” e o “fim propriedade privada”. Embora, por vezes, expressas numa linguagem “radical” - na “lei ou na marra”, “morte aos gorilas” etc. -, as demandas por reformas sociais e políticas pretendiam, fundamentalmente, o alargamento da democracia política e a realização de mudanças no capitalismo brasileiro.

Não se pode, contudo, deixar de reconhecer que, em toda a história republicana brasileira, o golpe contra as frágeis instituições políticas se constituiu em permanente ameaça. O fantasma do golpe rondou, em especial, os governos democráticos no pós-1946 e, com maior intensidade, a partir dos anos 1960. Pode ser dito que o governo Goulart nasceu, conviveu e morreu sob o espectro do golpe de Estado. Em abril de 1964, o golpe - permanentemente reivindicado por setores privilegiados da sociedade civil - foi, então, definitivamente vitorioso.

O golpe paralisou um rico e amplo debate político, ideológico e cultural que ocorria em órgãos governamentais, partidos políticos, associações e sindicatos de classe, entidades culturais, meios editoriais e de comunicação etc. Nos anos 1960, conservadores, liberais, nacionalistas, socialistas e comunistas formulavam publicamente suas propostas e se mobilizavam politicamente para defender seus projetos sociais e econômicos.

Se o governo Goulart e os setores progressistas tiveram alguma parcela de responsabilidade pelo agravamento da crise política no pré-1964, deve-se, contudo, enfatizar que quem planejou e desencadeou o golpe contra a democracia política foram as classes dominantes - apoiadas por setores médios e incentivadas por órgãos governamentais norte-americanos (Embaixada dos EUA, Departamento de Estado, Pentágono e outras agências de segurança) - e pela alta hierarquia das Forças Armadas brasileiras.

Destruindo as organizações políticas e reprimindo os movimentos sociais de esquerda e progressistas, o golpe foi saudado pelo conjunto do empresariado (industrial, rural, financeiro e investidores estrangeiros), pela alta cúpula da Igreja católica, pela grande imprensa etc. como uma autêntica “Revolução” - com a virtude maior de ter sido ela um movimento “pacífico” e “redentor”. Aliviadas por não terem de se envolver militarmente no país, as autoridades norte-americanas congratularam-se com os militares e civis brasileiros pela “solução” que encontraram na superação da “crise política” enfrentada pelo país. A administração Lyndon Johnson (1963-1969) não pode senão festejar pois uma nova (e grandiosa) Cuba teria sido evitada ao sul do Equador…

Embora tivesse simpática acolhida nos meios populares e sindicais, o governo Goulart ruiu como um castelo de areia. Dois de seus principais pilares de apoio - como apregoavam os setores nacionalistas - mostraram ser autênticas peças de ficção. De um lado, o propalado “dispositivo militar”, comandado pelos chamados “generais do povo”; de outro, o chamado 4º. poder que seria representado pelo Comando Geral dos Trabalhadores. Ambos assistiram - sem qualquer reação significativa - a queda inglória de um governo a quem juravam fidelidade e o compromisso de defender, destemidamente, até com o sacrifício da vida…

Ao contrário do que afirmaram os “vencedores”, as classes populares e trabalhadoras estiveram ausentes das chamadas “marchas em defesa da família e da propriedade” - promovidas por associações de mulheres católicas da alta burguesia e de setores médios - que, em algumas capitais do país, pediam ostensivamente a destituição de João Goulart. No entanto, as classes populares e os trabalhadores nada fizeram para evitar a derrubada de um governo que, a partir de fins de 1963, passou a defender de forma mais estridente as bandeiras do nacionalismo e das reformas sociais.

Por sua vez, as entidades políticas e os movimentos sociais - no campo e na cidade - que afirmavam representar os trabalhadores e os setores populares nenhum gesto tiveram para se opor ou impedir o golpe que há muito tempo se anunciava no horizonte - nas conversas dos políticos, nas páginas dos jornais e revistas e nas passeatas de ruas. Desarmadas, desorganizadas e fragmentadas, as entidades progressistas e de esquerda - muitas delas caudatárias do governo Goulart - nenhuma resistência ofereceram à ação dos militares. Poucas semanas antes de abril, algumas lideranças de esquerda afirmavam que os golpistas - caso atrevessem quebrar a ordem constitucional - teriam as “cabeças cortadas”. Tratava-se, pois, de uma rompante metáfora… Com a ação dos “vitoriosos de abril”, esta expressão, no entanto, se tornou uma dura e cruel realidade para muitos homens e mulheres durante os longos 20 anos de ditadura militar.

45 anos depois, nada há, pois, a comemorar. Aos setores democráticos e progressistas ainda cabem inadiáveis tarefas na luta pela ampliação e fortalecimento da democracia política no país; passados 45 anos, impõe que se faça justiça às vítimas da ditadura militar e que a verdade sobre os fatos ocorridos no período de 1964 a 1985 seja plenamente conhecida por todo o povo brasileiro.

* Professor colaborador do IFCH, Unicamp. Autor de O governo Goulart e o golpe de 1964, Editora Brasiliense e 1964: visões críticas do golpe (org.), Editora Unicamp.

7 comentários:

APOSENTADO INVOCADO 1 disse...

Apesar de eu ter sido militar a partir de 1967 quando engressei na AMAN , acredito que os militares erraram em se arvorar de salvadores da pátria e ,pior,antidemocraticamente.
Quando estava na AMAN aprendia que estava salvando o Brasil dos comunistas e acreditei,mas passado todo esse tempo tenho uma outra visão que a democracia resolve os problemas de uma nação e a ditadura só traz infelicidade e desrespeito aos direitos humanos e o direito ao contraditório.Sou contra ditadura de qualquer espécie.
Abraços
Helio

APOSENTADO INVOCADO 1 disse...

ingressei e não engressei

Lingua de Trapo disse...

Hélio, não sei se estou certo, mas vendo como se comporta esta elite brasileira ainda hoje, devo supor que as forças armadas tenham sido um mero instrumento a serviço dos interesses e das convicções dessa gente. Eu me recuso a acreditar que os militares, sozinhos, foram os mentores desse desastre,embora tenham ocupado um destacado papel neste episódio.

APOSENTADO INVOCADO 1 disse...

Língua de Trapo concordo plenamente com você.
Abraços
Helio

Romério Rômulo disse...

língua:
o ali kamel e seus correligionários já eram formulados nesse dia.
romério

Lingua de Trapo disse...

É tudo FDP, por causa desses fudidos tive que decorar nome dos heróis nacionais, Duque de Caxias, Jarbas Passarinho e por aí a fora. Imagine que trauma. Para piorar as coisas, hoje me deparo com as manchetes nos jornalões em 01/04/1964. Fiquei tão bodado que me deu até preguiça de escrever hoje.

Anônimo disse...

Como tao pessoal?!Eu estava exausto de pesquisar formas de ganhar algum online ate que descobri um website para obter dinheiro sem arriscar,simpatizeimuito!
ponho aqui a morada para a comunidade http://www.livrosgratis.pokersemdeposito.com/ !
PS:apreciei excessivamente o teu blogue bom trabalho!
Ate a vista

 

©2009 Língua de Trapo | Template Blue by TNB