SENADOR EDU-RATO AZEREDO NA MIRA DE JOAQUIM BARBOSA

|

Lambido do Novo Jornal


Encurralado, Azeredo ameaça contar tudo que sabe sobre o tucanoduto. Ele já mandou recado a FHC: “Segura Gilmar Mendes”

O Supremo Tribunal Federal (STF) começa a analisar nesta quarta-feira (4) se aceita a denúncia apresentada pelo ex-procurador-geral da República Antonio Fernando Souza contra o senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG). O procurador acusa Azeredo dos crimes de peculato e lavagem de dinheiro, ocorridos na campanha para sua reeleição ao governo de Minas, em 1998.

Caso a denúncia contra o senador seja aceita, ele passará a figurar como réu em ação penal no STF.

Por decisão do ministro Joaquim Barbosa, em maio deste ano, o inquérito foi desmembrado. Apenas Azeredo permaneceu investigado no STF. Foi transferida para a Justiça Federal em Minas a responsabilidade de analisar o processo quanto a Marcos Valério e outros investigados.

De acordo com a denúncia, o esquema conhecido por mensalão mineiro, tucanoduto ou valerioduto, capturou mais de R$ 100 milhões, com desvio de verbas de estatais e empréstimos bancários. Oficialmente, a campanha de Azeredo custou R$ 8 milhões.

A intermediação entre o núcleo da campanha e os políticos favorecidos ficou a cargo da SMP&B, a agência do publicitário Marcos Valério, que, segundo a Polícia Federal (PF), lavou parte do dinheiro com notas fiscais frias. Foi um modo de operar que serviu de laboratório de testes para o que, quatro anos depois, viria a ser o mensalão federal.

Essa forma de caixa 2 teria sido usada em âmbito nacional em campanhas do PT, dando origem à crise enfrentada pelo governo federal em 2005.

De acordo com o relatório da PF, "constatou-se a existência de complexa organização criminosa que atuava a partir de uma divisão muito aprofundada de tarefas, disposta de estruturas herméticas e hierarquizadas, constituída de maneira metódica e duradoura, com o objetivo claro de obter ganhos os mais elevados possíveis, através da prática de ilícitos e do exercício de influência na política e economia local".

Com base nas informações reveladas nesse relatório fica fácil entender por que houve tanta pressão dos tucanos e até a complacência do PT para não se abrir uma CPI exclusiva para esse caso.

Na ocasião, o senador Delcídio Amaral (PT-MS), que presidia a chamada CPI dos Correios, classificou de "documento apócrifo" a lista elaborada pelo então coordenador financeiro da campanha de Azeredo, Cláudio Mourão, e que serviu de base para o trabalho da PF.

Outra curiosidade: a denúncia da lista tinha sido feita por um companheiro do próprio partido de Delcídio, o então deputado estadual mineiro Rogério Correia. Mais curioso ainda: Paulo Abi-Ackel, o filho do deputado Ibrahim Abi-Ackel, relator da CPI da Compra de Votos (e que também poderia ter investigado o caixa 2 mineiro), recebeu R$ 50 mil do esquema. Ele disse à polícia que prestou serviços de advocacia à campanha.

Sobrestar a denúncia

Há meses a papelada rolava para lá, rolava para cá, mas ficava no mesmo lugar.

É fácil explicar. Quando surgiram as denúncias e provas que Azeredo criou um esquema gerido por Marcos Valério para colher dinheiro e tentar reeleger-se governador de Minas, o senador tratou de avisar a FHC que se algo lhe acontecesse de ruim iria jogar “toda a sujeira tucana no ventilador”.

FHC chamou Gilmar e deu a ordem: “Nada de ruim pode acontecer a Azeredo, do contrário estamos todos lascados”.

Gilmar cumpriu à risca sobrestar a denúncia contra o senador.

Trajetória pífia

Azeredo foi eleito vice-prefeito de Belo Horizonte em 1988, na chapa de Pimenta da Veiga. Pimenta renunciou um ano e meio após a eleição, para disputar o governo do Estado, e foi derrotado por Hélio Garcia. Azeredo virou prefeito até o final de 1992.

Em 1994, foi eleito governador de Minas por absoluta falta de opção do eleitorado. Três candidatos disputavam o governo. O atual vice-presidente José Alencar, o ministro das Comunicações, Hélio Costa, e Azeredo. Por algo menor que um por cento, Hélio Costa não levou as eleições no primeiro turno. Perdeu-as no segundo turno para Azeredo.

O hoje senador nunca foi levado a sério no mundo do tucanato. Prefeito por circunstâncias imprevistas, virou candidato a governador quando se achava que ninguém conseguiria derrotar Hélio Costa. Uma espécie de “vai lá, disputa e pronto”.

Segundo mandato

Em 1998, quem andou no fio da navalha foi FHC. O presidente tratou de comprar um segundo mandato. Uma espécie de “liberou geral” no Congresso Nacional.

Leilão de concessões de rádio, TV, dinheiro vivo, tudo sob a coordenação de Sérgio Motta (ministro das Comunicações à época) e ACM, então figura maior do conjunto de máfias do Congresso.

Comprados os deputados e senadores e “aprovada” a reeleição, FHC enfrentou o desafio de Itamar Franco.

Itamar colocava em risco a reeleição de FHC

O ex-presidente decidiu então ser candidato ao governo de Minas e mandou um recado claro a FHC: “Qualquer problema e eu boto a boca no trombone”. O outro candidato era Azeredo, que disputava a reeleição.

FHC pouco apareceu em Minas e no segundo turno das eleições para o governo daquele Estado, indagado sobre seu candidato respondeu: “Os mineiros é que decidem quem deve governar Minas”.

Só que, na mesma entrevista, havia defendido, minutos antes, o voto em candidatos tucanos em outros Estados. Quer dizer, jogou Azeredo às feras.

Itamar foi eleito governador do Estado. Sem mandato, Azeredo esperou as eleições de 2002 e candidatou-se ao Senado. Eram duas vagas em disputa. Uma para ele, outra para Hélio Costa.

Sem o trio que o orientava no governo de Minas, (sua mulher; Mares Guia – vice-governador; e Roberto Brant – renunciou ao mandato de deputado para não ser cassado por corrupção) Azeredo cumpre mandato melancólico no Senado.

Adversários políticos dizem que ele “é uma espécie de depósito de projetos e serviços sujos”.

Parlamentares experientes sempre ressaltaram que Azeredo atua como “laranja” de interesses inconfessáveis no Senado.

“Sem votos em Minas, Azeredo não vai ser candidato à reeleição. Já cumpriu o papel que lhe cabia cumprir, vai para o almoxarifado dos inúteis, deve virar deputado federal”, revelou um ex-assessor do senador, que não quis ser identificado.

Azeredo pode liquidar FHC

O senador já mandou avisar a FHC que, ou o ex-presidente “segura o trem” com Gilmar Mendes, trata de arrumar um jeito de arquivar o inquérito, ou então vai revelar “todo o esquema podre que ninguém ainda conhece”.

O valerioduto de Azeredo ou mensalão mineiro atuou intensamente no governo FHC.

De fato, há inquéritos e processos, na moita, sobre o tema para todo lado. A SMP&B e DNA atuaram na Fundacentro, no BB Visa e em vários outros órgãos da administração federal.

O ex-ministro do Trabalho, Paulo Paiva, ligado ao tucanato mineiro, que comandava a Fundacentro, levou as ventosas de Marcos Valério para lá.

A seguir, algumas das pessoas do governo FHC ligadas ao que aconteceu na Fundacentro.

Paulo Paiva - muito próximo de FHC - foi o ministro do Trabalho dos tucanos. Indicou Marco Antônio de Abreu Rocha para diretor administrativo e financeiro da Fundacentro.

Humberto Carlos Parro, do PSDB, também amigo de FHC, passou a dirigir a Fundacentro. Depois, ocupou cargo na Emplasa, no governo de Alckmin. Parro é o principal réu na Ação Civil Pública iniciada em abril de 2002 pela procuradora da República, Isabel Cristina Groba Vieira.

Parro é acusado de ter ratificado e homologado uma licitação fraudulenta, que permitiu às duas empresas de publicidade, citadas anteriormente, um estrondoso enriquecimento ilícito, e de não ter fiscalizado a execução dos contratos, dando margem a orçamentos forjados que foram produzidos, pagamentos por serviços não executados e superfaturados, honorários indevidos.

Marco Antônio Seabra de Abreu Rocha é o segundo réu. Passou a ser diretor administrativo e financeiro da Fundacentro. Foi indicado por Paulo Paiva, via Hélio Garcia. Tinha delegação especial de Parro para autorizar isoladamente o pagamento de qualquer tipo de despesa.

José Carlos Crozera – na época assessor de comunicação da Fundacentro – é o terceiro réu.

O desvio de dinheiro público da Fundacentro é alvo de investigação "congelada" na Justiça Federal.

Da mesma forma, o inquérito judicial da Lista de Furnas encontra-se “congelado” na Justiça Federal do Rio de Janeiro. O juiz do caso decretou segredo de Justiça, dificultando o andamento do processo, apesar dele somar provas irrefutáveis da prática de caixa 2.

O tucanato de alta plumagem possui fortes tentáculos no Judiciário a ponto de paralisar as principais investigações.

Mudança de postura

O empresário Marcos Valério concordou em falar com a reportagem do Novojornal, ocasião em que revelou que vai mudar de postura, porque não gostou de ver a maioria das acusações cair sobre sua cabeça.

Ele ressaltou que está interessado, agora, em denunciar todo o esquema do mensalão, inclusive o envolvimento de boa parte de políticos mineiros graúdos que ficaram – “inexplicavelmente” – de fora das investigações.

Valério afirmou ainda que está acompanhando com atenção o desenrolar dos acontecimentos e prometeu “derrubar a República” caso seja crucificado.

5 comentários:

mosko disse...

Aguardo a isenta cobertura do GLOBO sobre o tema.

Yvy disse...

O espertalhão falando não convence ninguém.

Abrs!

Job disse...

A propósito, caro Língua, por que o PIG não fala em mensalão tucano ao invés de mensalão mineiro? Desrespeito total com o povo mineiro. Abraços

Anônimo disse...

O maravilhoso espetáculo da mídia tupiniqim, é q é o imperdível.

Todos sabem q tem o rabo preso.

FCH + Serrassuga + Aécio Never e gangue devem estar com o cú (c/ acento) na mao.

E eu, rindo.

Inté,
Murilo

Junior Bellé disse...

Mensalão já virou verbo.

 

©2009 Língua de Trapo | Template Blue by TNB