QUANTOS HOMENS PÚBLICOS SÃO DIGNOS DE TAL REVERÊNCIA?

|


Por Geraldo Elísio

“A alma da fome é política! A fome e a miséria terão que estar em todos os debates, palanques e comícios...” Betinho de Souza

Pessoalmente devo uma desculpa. Creio, porém, que o ex-ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Patrus Ananias, compreenderá o atribulado dia a dia de um repórter.

Peço desculpas por não tê-lo cumprimentado no dia em que o mesmo deixou o Ministério, depois de realizar um trabalho que é hoje referência mundial e que foi além da sua capacidade reconhecida, capaz inclusive de ter contribuído para a alavancagem da imagem que hoje o mundo conhece do presidente Luís Inácio Lula da Silva. Trabalho que algumas nações do planeta procuram idealizar, diante de um quadro recessivo que a todos assusta. Sou um crítico do presidente, mas não há como deixar de cumprimentá-lo pela escolha do auxiliar.

Irretorquível, à margem de qualquer deslize, este trabalho talvez seja a grande logomarca do Partido dos Trabalhadores, mais que a estrela, talvez seja esta labuta, juntamente com a política internacional do Planalto a própria estrela de primeira grandeza do PT. Dizem os especialistas em esporte que, “em time que está vencendo não se mexe”. Daqui para frente trata-se de somente dar sequência a este gesto patriótico com os avanços naturais presumíveis sem alteração das linhas mestras.

Patrus Ananias nasceu no norte de Minas Gerais, em uma pequena cidade chamada Bocaiúva, onde nasceu também uma das mais felpudas raposas da velha e saudosa escola política de Minas, José Maria de Alkimim. Minas que é hoje, de acordo com o poeta de Itabira, Drummond de Andrade, “apenas um retrato na parede”. O sociólogo Betinho, o “irmão do Henfil (o cartunista)”, e Chico Mário (o compositor, instrumentista e cantor), os “Três Irmãos de Sangue”, também nasceram em Bocaiúva e devem se orgulhar do conterrâneo que somente merece elogios, não tendo se envolvido em nenhum deslize, como convém a todos os mineiros da escola do doutor Milton Campos, inclusive Luís Soares Dulci.

Contudo antes tarde do que nunca. Patrus, compreenda que o vórtice do tempo às vezes afoga um jornalista. Mas ainda é tempo de fixar que o senhor, em meio a tantos escândalos que têm Minas Gerais como epicentro, foi uma ilha de ética e transparência, o que deixa orgulhosos os seus conterrâneos. E as minhas desculpas, acredito, estão remidas.

Este espaço é permanentemente aberto ao democrático direito de resposta a todas as pessoas e instituições aqui citadas.

geraldo.elisio@novojornal.com

3 comentários:

Dois disse...

esse é o cara de Minas, sem mais.

Pepe disse...

Adoro esse blog!

Veja o meu http://artmusicblog.blogspot.com/

Werner Piana disse...

grande Patrus... será que o veremos SENADOR ou Governador de MG?

 

©2009 Língua de Trapo | Template Blue by TNB