BELO HORIZONTE NA ROTA DA DENGUE - QUE PAPELÃO HEIM? JÁ SERIAM OS EFEITOS DO CHOQUE DE GESTÃO?

|


Temporão diz que há risco de surto de dengue em quatro estados
Paula Laboissière
Repórter da Agência Brasil

Brasília - Os estados da Bahia e do Acre, a região que engloba as cidades de Vitória e Vila Velha, no Espírito Santo, e a capital mineira, Belo Horizonte, integram a lista de localidades que podem registrar surtos de dengue em 2009.

A informação foi divulgada hoje (5) pelo ministro da Saúde, José Gomes Temporão, que avaliou a situação nas quatro áreas como “crítica”.

No Acre, os registros de dengue passaram de 261 casos, entre 1º de janeiro e 13 de feveriro de 2008, para 5,56 mil no mesmo período deste ano; na Bahia, de 2,9 mil para 9 mil; em Minas Gerais, de 3,5 mil para 6,2 mil; e no Espírito Santo, de 1,1 mil para 5,9 mil.

Em entrevista a emissoras de rádio durante o programa Bom Dia, Ministro, Temporão disse que o aumento se deve, entre outros fatores, à mudança de gestores ocasionada pelas eleições municipais realizadas em outubro do ano passado. Segundo ele, mais de 40% dos secretários de Saúde foram substituídos, o que pode ter colocado em risco a continuidade das ações.

“Tenho certeza de que, em muitos dos municípios em que estamos vendo um aumento importante de casos de dengue, esse fator foi relevante”, disse, ao citar o exemplo do Espírito Santo. “Evidentemente que alguma coisa falhou. Um fator importante foi a transição das prefeituras. O que pode ter havido também é que as pessoas tenham relaxado.”

Questionado sobre a alta incidência de dengue na Bahia – mais de 11.570 casos foram registrados nos dois primeiros meses do ano –, o ministro afirmou que está preocupado, mas não surpreso, porque já havia municípios em situação de risco no estado. Temporão disse ter “certeza absoluta” de que houve descontinuidade na política de combate ao vetor da doença por parte dos prefeitos.

“Nessa mudança de gestão, muitas vezes, o calor da disputa eleitoral prejudica a boa implementação de políticas sociais. Não faltaram recursos. Estamos gastando R$ 1 bilhão com a dengue no Brasil. Aumentei em R$ 200 milhões os recursos para este ano. Fizemos treinamento de milhares de médicos e enfermeiros para que o diagnóstico seja feito precocemente.”

Em relação ao Acre, o ministro lembrou que o estado apresenta características climáticas que são uma espécie de “complicador” no combate à doença. Segundo ele, a situação poderia ser mais grave. Diante do alto número de casos a serem confirmados, Temporão avaliou que a estratégia agora deve ser a de evitar mortes por meio do diagnóstico precoce.

3 comentários:

Dois disse...

É uma hora em que não se pode culpar a representação pública, cabe a população cuidar do que é seu!

Ou será que o povo vai esperar o Lula passar de casa em casa para acabar com os focos?

Lingua de Trapo disse...

Vamos dizer que isto seja uma meia verdade, mas lembre-se de que o povo tem memória curta, portanto, é nessa hora que o estado deve atuar. Eu sei que aqui em casa não tem focos, mesmo assim o fiscal passa por aqui uma vez por mês. Será que essa fiscalização tem a mesma frequência naqueles lugares onde ninguém gosta de ir, inclusive a polícia? Se os casos estão se repetindo, é sinal de que há algo errado e o poder público deve agir e não transferir a culpa para o cidadão negligente. Só o poder público tem este poder, inclusive de obrigar o cidadão a agir. Eu ou você podemos fazer a nossa parte, mas não temos o poder constitucional de obrigar os outros a fazê-lo.

Roberto Luiz de Lima disse...

Saudações,
Lançamentos pratos anti dengue em plastico reciclado para vasos e xaxins que não permite ao aedes desovar e economiza agua !
Patente deferida anti dengue para vaos e pratos de conhecimento de varias autoridades des 1997 !

Mais informações : www.guira.ind.br

 

©2009 Língua de Trapo | Template Blue by TNB