ARNALDO JABOUR FAZ ESCOLA EM MINAS MAS, A DIFERENÇA, É QUE O IDIOTA DO MEDIOCREOLI PAGA DO PRÓPRIO BOLSO PARA VOMITAR SUAS ASNEIRAS

|

Lambido do Portal O Tempo

Procurando um Nobel

Embora possa ser uma tese arriscada, a proliferação nuclear em países governados por facções fundamentalistas aparece como meta do Itamaraty junto ao Irã. Reveste-se de primitivismo, mas pouco importa. Desde que o sabor seja antiamericanista, segundo o Itamaraty, vale a pena.

Dar "passos no delírio" com os xiitas agrada ainda à plateia esquizossocialista internacional. O Irã, por afinidade antiamericanista (e ninguém lhe tira essa liberalidade), autoriza o governo de Lula a dar-lhe razão. Mesmo quando razão não há. Marco Aurélio Garcia e Celso Amorim defendem as teses furadas com suas inesgotáveis reservas de sofismas. Já Lula é um personagem à procura de autor. Homem instintivo, mais que intelectual (nunca leu um livro, ele diz), baliza-se pelo pensamento internacional de Fidel Castro, Hugo Chávez, Evo Morales e outros líderes africanos e asiáticos que resolvem pendências políticas nos "paredões" ou nas masmorras em que abrigam os adversários.

Inquieta constatar que não existe, no torrencial repertório de Lula, uma só crítica à falta de democracia, de liberdade de expressão, a eleições escandalosamente arranjadas, a cadafalsos ensanguentados dos governos de exceção. A crítica se dirige apenas a uma Itália, berço da democracia, que pede extradição de um condenado por múltiplos homicídios.

Afagos para investidas atômicas, perdão de dívidas bilionárias, verdadeiras "bolsas-ditadura" para tiranetes sanguinários, que pesam assim no contribuinte brasileiro. Para ser mais claro: eu e você.

De tão estridente e incompreensível, o discurso sofismático de Celso Amorim sobre o Irã ficou "aramaico" para o "simples" Lula, tirando-lhe assim a possibilidade de ecoá-lo com metáforas futebolísticas, especialmente com jornalistas não brasileiros. Lula embarcou direto para Brasília, cancelando a escala de 24 horas em Madri, que deveria servir, nos projetos da dupla Garcia e Amorim, de cenário do triunfo do pacificador e de apoteose "atômica" do terceiro mundo. Ainda anunciaram como novidade um acordo que, em gênero, número e grau, é o mesmo assumido pelo Irã em outubro para depois ser rasgado unilateralmente por Ahmadinejad.

Em palavras rasas: o Brasil se jogou num deserto iraniano sem cachorro e camelo, exatamente no momento em que as prioridades do país respondem à negociação de acordo sobre combustíveis limpos com os EUA, a formação da Alca, as aberturas comerciais para produtos agrícolas com reflexos para o desenvolvimento sustentado.

Nunca o Irã, sozinho ou acompanhado por uma dúzia de países nas mãos do fundamentalismo, pesará na balança quanto os países que Amorim foi incomodar. Também é notório que o fundamentalismo, assim como o PT, comunga relações autênticas apenas com os praticantes de sua fé. Que papel de bobo seria esse do Brasil a 14 mil quilômetros de casa?

Amorim, referindo-se à sua labuta para fazer de Lula um "Nobel da Paz", revela: "pode ser considerado (o acordo fictício com o Irã) um passaporte para solução negociada e pacífica".
Pois é, que interessa ao Brasil esse "passaporte" concedido a fundamentalista que nunca cumpriu nada? Se decidisse usar de seriedade, abriria seus laboratórios a uma vistoria internacional, pondo assim um final à encrenca? A única razão para manter esse sigilo, até múmia entende, mas Lula não (?), é desenvolver armas nucleares.

Como Cícero se referindo a Catilina, "quosque tandem abutere, Amorim, patientia nostra?". Até quanto abusarás da nossa paciência, Amorim? Pior, tratando meio mundo de indigente mental ou de mero imbecil.

Partindo do primeiro mandamento, "as ações diplomáticas do governo brasileiro perseguirão relações pacíficas e proveitosas à nação, visando ao progresso econômico e social", descobrimos que a gestão do Itamaraty está em desacordo com seu dever.

Prefere defender o candidato a ditador de Honduras, castigando aquele país a permanecer no ranking de "republiquetas das bananas". Invade, ainda, searas alheias para merecer um prêmio Nobel que humilharia a inteligência do júri.

Afinal, quais são as metas desse governo em relação ao exterior? Ninguém sabe. Pula pra cá e pra lá, onde os holofotes estão ligados. Não há uma ação definida em favor do "progresso" da nação, apenas as encrencas são levadas verdadeiramente a sério.

7 comentários:

Carlos disse...

QUEM é esse imbecil?

VERA disse...

Geeeente! Como esse boçal fala merda! Nem dá pra comentar!

Anônimo disse...

Foi mal...não consegui passar da metade.Abraçs Juan Carlos

Lingua de Trapo disse...

Cara Juan, tenha sempre consigo um envelope de Dramin.

Anônimo disse...

Que boçal!!!
Lava a boca antes de falar do LULA animal raivoso...

andre disse...

ELES SE MERECEM.
O ARNALDO JABURU É UM CANCRO.
jaburu

Classificação morfossintática:
- [jaburu] substantivo masc singular .
Sinônimos: feio horrorosa feiosa horrivel horripilante tuiuiu jaburu-moleque rei-dos-tuinins tuiuguaçu tuiuiú tuiuiú-coral .
Antônimos: bonito bonita linda gata gostosa .
Palavras relacionadas: trabuco trubufu baranga demonho feiura total ave ceconiforme ciconiiforme ciconiídeo .

http://www.dicionarioinformal.com.br/buscar.php?palavra=jaburu

carlos disse...

isso bicho é doido, é? vôte!

 

©2009 Língua de Trapo | Template Blue by TNB